quinta-feira, 6 de outubro de 2016

Nelson F. Almeida Mendes – Autor de Conto Ilustrado. Titulo – A Dança Forçada

                                          A dança forçada

 
                             Era uma vez dois amigos que se chamavam António e Nhanga.
                             Eles viviam no mesmo bairro e também estudavam na mesma escola.

                                                                                           1
O                        António ao fim de algum tempo decidiu emigrar para Portugal para continuar a estudar.

                                                                                       2
                               Alguns anos mais tarde o Nhanga também emigrou para Portugal à procura de emprego.
                             Um dia, Nhanga, saiu de casa e foi procurar trabalho.

                                                                                        3
                           Pelo caminho, Nhanga encontrou o António, seu amigo de infância, que estava de volta para a sua casa. 
                         António ficou tão contente de ver o seu melhor amigo, que já não tinha notícias dele há vários anos. 
                         E convidou-o de imediato a ir conhecer a sua casa, o qual aceitou logo, dizendo que apareceria lá no dia seguinte.

                                                                                 4
                           No dia seguinte, por volta das dez horas, o Nhanga bateu à porta da casa do amigo, este não tardou a abrir a porta, dando de caras com o Nhanga, convidando-o entrar.
                           O Nhanga entrou e admirou a magnífica casa do amigo. Ficaram longo tempo a conversar até que decidiu ir embora e virando-se para o amigo disse:

                                                                                       5
                          - António, eu tenho muita pena de não te fazer qualquer convite, porque não tenho trabalho, não tenho dinheiro e não conheço ninguém na cidade.
                            E o António respondeu-lhe: 
                         - Está bem amigo. Convido-te eu para este fim de semana irmos a uma festa popular e relembrar os velhos tempos. 
                           O Nhanga aceitou de imediato dizendo que podia contar com ele.

                                                                                   6
                         Nhanga decidiu ir para casa mas pelo caminho pôs-se a pensar na festa que não lhe saía da cabeça.

                                                                                          7
                           Por fim o dia da festa chegou. Nhanga vestiu a melhor roupa que tinha e foi ter com António a sua casa.
                         Quando lá chegou, António já estava à porta à sua espera e os dois puseram-se a caminho. 

                                                                               8
                          Quando chegaram à tão famosa festa, os dois amigos puseram-se logo a dançar e a divertir-se.
                         Depois chegou um senhor careca com uma amiga muito bonita e ambos puseram-se de imediato a dançar. António muito entusiasmado chamou o Nhanga e disse-lhe:

                                                                                            9
                        - Nhanga, indicando, estás a ver aquela miúda vestida de vermelho? 
                           Eu queria dançar com ela! E o amigo respondeu-lhe:
                        - O que é que estás a pensar fazer para afastar o senhor que está a dançar com ela?

                                                                                   10
                          António respondeu-lhe:
                       - Eu ainda não sei, mas tenho a certeza que hei-de ter alguma ideia e tu vais ajudar-me! -Ajudar-te?! 
                   - Eu não! - disse Nhanga.

                                                                                    11
                          O António pôs-se a pensar… Passados alguns minutos, disse para o amigo:
                        -Nhanga, tenho uma proposta para te fazer. Nhanga, virou-se e perguntou-lhe:
                         -Que proposta?
                          O António respondeu-lhe:
                       - Estás a ver aquele careca? Vais lá e bates-lhe na careca e se tudo der certo, ofereço-te 20 euros. 

                                                                                          12
                         Nhanga disse:
                        -Eu não acredito em ti, e também não sei se devo fazer o que me estás a pedir, além disso não tenho nenhuma garantia de que me vais dar o dinheiro. António respondeu-lhe indignado: 
                       - Então, toma já o dinheiro, uma vez que não acreditas em mim. 

                                                                                     13
                        O Nhanga aceitou o dinheiro muito contente e foi ter com o careca.
                        Quando chegou perto dele, levantou a mão o mais que podia e acertou em cheio na careca do homem, dizendo: 

                                                                                 14
                        -Então, Dembo, há muito tempo que não te via!
                         E o senhor careca, muito irritado, virou-se para o Nhanga e disse-lhe:
                     - Tenha mais cuidado, pois eu não sou o Dembo e esse golpe doeu-me muito.
                      Nhanga fingindo estar muito envergonhado pediu desculpa e afastou-se do senhor.

                                                                                                 15
                         Nhanga voltou para o pé do António e disse-lhe:
                       -Já está, e agora o que é que eu faço? 
                         E o amigo respondeu-lhe: 
                      - Se voltares lá e lhe deres outra pancada na cabeça, dou-te 30 euros!
                       Nhanga respondeu-lhe: 
                     - Está bem dá-me o dinheiro que eu vou lá e dou-lhe outra pancada. 

                                                                                       16
                        O amigo tirou o dinheiro do bolso e deu ao Nhanga, que foi de novo ao encontro do careca. 

                                                                                          17
                      Quando chegou suficientemente perto do senhor careca, Nhanga bateu-lhe com tanta força que este descaiu para frente, e disse-lhe:
                  - Dembo, eu sei que és tu, porque é que estás a mentir? 

                                                                                      18
                          O senhor careca virou-se de novo para o Nhanga com um ar de poucos amigos e disse-lhe: 
                        - Já lhe disse que eu não sou o Dembo, mas se o senhor persistir em me bater eu não respondo por mim.

                                                                                          19
                           Após este curto discurso com o Nhanga, o senhor careca foi sentar-se com a sua amiga, onde estava a ver as outras pessoas a dançar.
                         O Nhanga foi para perto do António, que lhe fez uma terceira proposta: 

                                                                                         20
                         - Se lhe fores bater de novo, eu dou-te 50 euros.
                          O Nhanga ficou de boca aberta, Passados uns instante ele decidiu-se. 
                          Aceitou o dinheiro dizendo para o amigo:
                        - O homem está muito nervoso, mas eu vou lá na mesma.

                                                                                              21
                           Nisto, dirigiu-se novamente em direção ao homem, e quando chegou, levantou a mão o mais que podia e acertou-lhe em cheio no centro da cabeça, dizendo-lhe:
                            - Então Dembo, afinal estás aqui sentado a apanhar fresco e eu a bater no outro senhor que estava no outro lado a dançar?

                                                                                              22
                       O senhor careca levantou-se, meteu a mão no bolso e tirou uma faca, dizendo para o Nhanga:
                   - Este foi o ponto final, agora não respondo por mim. 

                                                                                23
                        Nhanga ficou muito assustado e começou a fugir.
                       O senhor careca correu atrás dele, deixando a amiga sozinha.
                       E então o António foi ter com a rapariga e convidou-a para dançar.

                                                                                   24
                  A rapariga que estava muito zangada porque o amigo a tinha deixado sozinha para ir atrás do Nhanga, aceitou o convite do António e os dois dançaram juntos até ao fim da festa.

                                                                                  25
                            No dia seguinte de manhã bem cedo, Nhanga pôs-se a caminho da casa do António, e quando chegou, o António estava de saída para ir comprar pão. 
                           Quando se aproximou mais perto, Lhanga perguntou-lhe:

                                                                                             26
                         - Então conseguiste dançar com a rapariga? 
                           E o António respondeu-lhe:
                         -Claro que consegui. Perguntando-lhe de seguida?
                         - E tu como é que te safas-te do senhor careca? 
                            Nhanga respondeu-lhe: 
                          - O senhor careca vinha com tanta força para me apanhar, que não reparou num buraco, que estava na rua, e caiu lá dentro.

                                                                                   27
                      Os dois amigos, muito alegres e divertidos, riam-se de tudo o que tinham passado naquela noite.

                                                                                            28

                                                                                            FIM

Nenhum comentário: