sábado, 30 de agosto de 2014

Presença do Ébola no Senegal é má notícia para Guiné-Bissau

O primeiro-ministro guineense, Domingos Simões Pereira, considerou ser "uma má notícia" para a Guiné-Bissau caso se confirme a presença do vírus Ébola no Senegal.

 
O primeiro-ministro guineense, Domingos Simões Pereira, considerou esta sexta-feira ser “uma má notícia” para a Guiné-Bissau caso se confirme a presença do vírus Ébola no Senegal, que salientou ainda não ter chegado ao país.

 Falando na habitual conferência de imprensa semanal para fazer o ponto das ações do Governo, Domingos Simões Pereira, questionado pela agência Lusa, disse desconhecer a notícia que dá conta de que um caso de infeção com o vírus .

Ébola foi confirmado pelas autoridades senegalesas. “Se se confirmar essa informação seria realmente uma má noticia para o nosso país”, afirmou o primeiro-ministro guineense, reforçando o apelo às ações de prevenção na Guiné-Bissau, onde, reafirmou, a doença ainda não chegou. “Somos protegidos por uma bênção que temos que fazer por merecer”, disse Simões Pereira, ao anunciar que o Presidente guineense, José Mário Vaz, vai presidir no sábado à abertura da campanha nacional de limpeza e desinfeção lançada pelo Governo.

 Todos os membros do Governo, titulares de órgãos públicos vão estar no sábado em diferentes localidades do país, em Bissau e no interior, para levar a cabo a campanha de limpeza e desinfeção, notou ainda Simões Pereira.

 O Presidente José Mário Vaz vai abrir a campanha no mercado do Bandim (maior centro comercial do país), em Bissau, o líder do Parlamento, Cipriano Cassamá, em Bafatá (leste), o presidente do Supremo Tribunal de Justiça, Paulo Sanhá, no sul e o primeiro-ministro, Simões Pereira, na zona norte. Ministros e secretários de Estado também foram distribuídos para várias localidades.

Ao enaltecer a importância da campanha, Domingos Simões Pereira, disse que “é das várias ações” que o país pode fazer para enfrentar o vírus do Ebola e outras doenças. “A pobreza é algo que nós não podemos controlar, a limpeza sim”, observou o primeiro-ministro, lembrando que a Guiné-Bissau no passado foi considerada o país mais limpo da Costa Ocidental de Africa. Confrontando com o facto de algumas pessoas, oriundas da Guiné-Conacri, se recusarem a vigilância médica, como medida de precaução, Domingos Simões Pereira reprovou este comportamento frisando estar em causa a saúde pública.

 Fonte: Veja Aqui

Austrália reforça apoio a pessoas com necessidades especiais em Timor-Leste

O governo da Austrália anunciou hoje, em comunicado divulgado à imprensa, o reforço do apoio às pessoas com necessidades especiais em Timor-Leste através de um donativo de 450 mil dólares (cerca de 340 mil euros).  


O donativo foi entregue durante uma visita realizada pelo embaixador australiano em Díli, Peter Doyle, a um centro de reabilitação de pessoas com necessidades especiais em Tibar, perto da capital timorense, dirigido pela Klibu Domin, da Associação das Pessoas com Deficiência em Timor-Leste.

 "Timor-Leste tem feito importantes desenvolvimentos na melhoria do padrão de vida do seu povo, mas é importante que as pessoas com deficiência não sejam deixadas para trás", afirmou o diplomata australiano, citado no documento divulgado pela embaixada da Austrália em Díli.

Segundo o embaixador, o apoio às pessoas com necessidades especiais tem sido um foco no programa da ajuda do governo australiano. "Esta parceria com a Associação de Pessoas com Deficiência vai ajudar a reduzir os muitos obstáculos ao acesso aos serviços de saúde e educação que aquelas pessoas enfrentam todos os dias", salientou.

O presidente da Associação de Pessoas com Deficiência de Timor-Leste, Joaquim Soares, considerou o apoio "valioso" para defender os "direitos das pessoas com deficiência" e apelou ao governo timorense para ratificar a Convenção da ONU sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e a criar um Conselho Nacional de Pessoas com Deficiência.

O financiamento doado pelo governo australiano vai ser para defesa dos direitos daquelas pessoas através do acesso aos serviços de saúde, justiça social, educação e emprego em condições de igualdade com as outras pessoas, acrescenta o comunicado.


 Fonte: Veja Aqui

Brasil - Coppe vai ter programa para inclusão de pessoas com deficiência

O Instituto de Pós-graduação e Pesquisa em Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Coppe-UFRJ) deverá lançar programa para inclusão de pessoas com deficiência. Uma das ações é promover um curso para capacitar pessoas com deficiência em atividades técnicas e administrativas. 


 O diretor de Pesquisa e Desenvolvimento do Coppe, José Carlos Pinto, explicou que a iniciativa surgiu devido à dificuldade para a contratação de pessoas com deficiência com qualificação.

 “A lei impõe uma cota de 5% para os deficientes físicos nos concursos públicos, mas nós nunca conseguíamos preencher essas vagas e nos questionávamos o porquê.

Percebemos que esse fenômeno é consequência da exclusão e da baixa qualidade de ensino oferecidas a essas pessoas, então decidimos criar uma oportunidade de aprendizado para os deficientes.

 Estamos cumprindo com o dever da universidade, o de educar”, explica.

De acordo com o instituto, as aulas serão ministradas por professores do Coppe e acompanhadas por profissionais de organizações que trabalham na área. Algumas das atividades envolvem o aprendizado sobre o ambiente de pesquisa, como segurança em laboratórios, formulação de projetos e controle de qualidade.
 Segundo o Coppe, o recrutamento dos alunos será feito por meio de uma seleção pública.

 A previsão é que as inscrições iniciem a partir de outubro e as aulas, em março do ano que vem.

 De acordo com o instituto, a data de abertura das inscrições será divulgada no site: http://www.coppe.ufrj.br. 


  Fonte: Veja Aqui

domingo, 24 de agosto de 2014

Guiné-Bissau: ONG francesa oferece materiais de prevenção contra o ébola

Bissau - A ONG Francesa Fundação Merieux ofereceu à Guiné-Bissau, esta quarta-feira, 20 de Agosto, caixas para conservar amostras dos casos suspeitos de ébola, no âmbito das medidas de prevenção contra a doença.

 

Em declarações à PNN a ministra da Saúde Pública, Valentina Mendes, afirmou que o país está em alerta para prevenir a mortífera febre hemorrágica, por isso, o Governo está a fazer o máximo para ter os kits de ajuda nesta fase de prevenção.

A governante manifestou ainda a disponibilidade do Executivo guineense para colaborar com a Fundação Merieux numa fase mais avançada, na cura de outras doenças que não sejam as epidemias ou as grandes endemias. Valentina Mendes falou de um caso alarmante que ocorreu no princípio da semana.

«Tivemos um falso alarme. Era um paciente que tinha vómitos com rastos de sangue, mas felizmente foi diagnosticado com uma simples gastrite.

Se fosse o vírus do ébola era preciso, realmente, ter estes kits de diagnóstico para podermos rapidamente recolher amostras e enviar» referiu, salientando que o material doado terá custo zero para o país, apelando ao seu bom uso.

O intermediário da Fundação Merieux, Plácido Cardoso, informou que a fundação pretende ainda enviar outros instrumentos ao Ministério da Saúde, para fazer face a algumas doenças endémicas.


«Esta é a primeira doação. Têm a promessa do envio de mais instrumentos que poderão ser utilizados, nomeadamente a bata de protecção para o pessoal técnico que deverá trabalhar na manipulação dos possíveis casos do ébola» sublinhou.

 Plácido Cardoso disse que, em concertação com a ministra de Saúde, decidiram convidar os responsáveis da fundação para vierem conhecer a realidade da Guiné-Bissau, garantindo continuar ao lado das autoridades na mobilização de meios, não só para a prevenção e tratamento do ébola, mas também no sentido geral da prevenção das epidemias e mesmo no reforço do sistema de saúde do país.

A Fundação Merieux é uma ONG francesa que trabalha na sub-região, no domínio do apoio aos laboratórios de saúde pública de que a Guiné-Bissau não faz parte, mas que graças ao trabalho de Plácido Cardoso, antigo Director-geral da Organização Oeste Africana da Saúde, conseguiu-se os materiais que serão canalizados para o laboratório Nacional da Saúde Publica.

 Tiago Seide 

Fonte: Veja Aqui

Segurança Social deteta falhas nos “bancos” que emprestam cadeiras de rodas e afins

Os Bancos de Produtos de Apoio emprestam, vendem e alugam a preços variados. Muitos são marcados por “forte envolvimento da comunidade”. Segurança Social quis saber como funcionam para eventualmente criar uma rede nacional. Maior parte dos bancos emprestam gratuitamente os equipamentos, mas também há quem alugue e quem venda LUIS EFIGENIO

 

Chamam-se Bancos de Produtos de Apoio. Emprestam, alugam ou vendem cadeiras de rodas, andarilhos, canadianas, camas com ajustamento manual e muitos outros produtos para pessoas com deficiência ou com uma incapacidade temporária ou não.

O Instituto da Segurança Social quis saber com funcionavam, para, eventualmente, criar uma rede nacional de bancos. O retrato acaba de ser publicado: em 152 instituições que prestaram informação, cerca de metade dizem que não têm serviços de higienização dos produtos.

 O relatório Bancos de Produtos de Apoio, Levantamento Nacional, 2014, refere o seguinte: “70 referem não realizar a higienização dos produtos em Banco, 84 não possuem serviços de manutenção e 104, serviços de reparação. Esta realidade, que surge como preocupante na qualidade dos serviços prestados e dos materiais disponibilizados, deve ser tida em conta na eventual elaboração de normativos relativos a Bancos de Produtos de Apoio.”

 Os bancos são, na sua maioria, geridos por parceiros das autarquias locais e entidades sem fins lucrativos, como associações, Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) e delegações da Cruz Vermelha Portuguesa, prossegue o relatório.

 A maioria (95) fornecem os produtos gratuitamente — além dos já referidos, há os colchões e coberturas de colchões para prevenir úlceras de pressão, as almofadas, as cadeiras de banho e urinóis, só para dar mais alguns exemplos de objectos que podem melhorar a qualidade de vida de pessoas com certas incapacidades. Mas que custam caro. Há também 64 bancos que alugam os produtos.

E 18 que tanto disponibilizam os produtos de apoio gratuitamente como os alugam (por vezes, em função da situação socioeconómica dos beneficiários ou do tipo de produto que está em causa). Cinco só emprestam e três vendem. “Uma das entidades com Banco de Produtos de Apoio refere que a atribuição/comparticipação permanente dos produtos de apoio é realizada apenas quando não é possível a sua obtenção através dos serviços de saúde ou segurança social pertencentes à administração central”, lê-se no documento.

Nos casos das instituições que alugam, os preços praticados variam muito: uma cama, por exemplo, pode custar 5 euros por mês ou 35 (valor máximo mencionado). Um andarilho pode ir dos 2,5 euros aos 10. Uma cadeira de rodas dos 2,5 aos 35.

Os regulamentos das instituições definem por vezes os preços mínimos e máximos em função do rendimento dos utentes e seus agregados.

Queixas de falta de apoio Existe em Portugal o Sistema de Atribuição de Produtos de Apoio (SAPA) que gere o financiamento das comparticipações deste produtos quando eles são prescritos por unidades de saúde e centros especializados.

Este ano, o orçamento incial do SAPA era de 11,3 milhões de euros, distribuídos pelos ministérios da Saúde, Educação e Emprego e Segurança Social. As pessoas com deficiência ou incapacidade têm de apresentar candidaturas a estes apoios e relatórios médicos e aguardar por luz verde para uma comparticipação (que pode ir até 100%). José Reis, presidente da Comissão Nacional das Organização de Deficientes, garante que nem toda a gente que precisa consegue a comparticipação que lhes permite adquirir (ou substituir) os equipamentos de que precisam. E que a sua organização já tem recebido queixas.

Os Bancos de Produtos de Apoio funcionam como uma resposta alternativa ao sistema de comparticipações — e são caracterizados, em geral, por um “forte envolvimento da comunidade”, como nota o relatório da Segurança Social.

Além dos recursos humanos neles envolvidos, há referências a muitos voluntários, funcionários das autarquias, técnicos de IPSS, familiares dos utentes a trabalhar nestas estruturas.

Em alguns casos, as próprias autarquias envolvem-se e apoiam com subsídios. Certo é que uma grande heterogeneidade de práticas e alguma informalidade, até, parece caracterizar este ramo — ao ponto de haver instituições que cedem, emprestam ou alugam produtos de apoio, mas que não se consideram um banco. Em suma, a Segurança Social entende que muitas instituições têm potencial para integrar uma eventual rede de apoio.

Mas acrescenta: “Se se viesse a pensar na constituição dessa rede nacional teria de se equacionar regulamentação específica na área”.

 Fonte: Veja Aqui

terça-feira, 19 de agosto de 2014

Ébola Guiné-Bissau proíbe várias cerimónias para prevenir surto no país

Os ministérios da Saúde e Administração Interna da Guiné-Bissau difundiram hoje um despacho conjunto que proíbe várias cerimónias públicas e impõe maior controlo da água para consumo, no âmbito do programa de prevenção do Ébola lançado pelo governo.

 

Assim, fica interdita "a realização de atos que carretam a aglomeração de elevado número de pessoas", tais como o "fanado", cerimónia animista de iniciação na vida adulta, o "toca-tchoro", reunião de familiares e amigos para velar um morto, o "gâmo", ritual de oração islâmico, e "lumos", feiras populares realizadas nas ruas das povoações. Batizados, piqueniques e outras atividades não especificadas são igualmente proibidas "até comunicação em contrário", de acordo com o despacho datado de 13 de agosto, mas difundido hoje em órgãos de comunicação social como a Radiodifusão Nacional (RDN) da Guiné-Bissau.

A intenção de impedir aglomerados de população para evitar a importação de algum caso de Ébola para o país e eventual contágio já tinha sido anunciada na última semana pelo primeiro-ministro e torna-se agora efetiva com a divulgação do despacho dos dois ministérios.

O documento proíbe ainda atividades em que "são manipulados e consumidos alimentos de diversa proveniência e propensos a contactos humanos vários".

Noutro ponto, determina-se que "as unidades de empacotamento e venda de água potável" só o poderão continuar a fazer mediante o "controlo e acompanhamento" do Laboratório Nacional de Saúde Pública.

 "Eventuais desrespeitos às orientações emanadas merecerão a devida resposta por parte das autoridades competentes que mais não visam do que proteger a saúde das populações", conclui o despacho.

O programa de emergência sanitária anunciado na última semana pelo governo da Guiné-Bissau incluiu ainda o encerramento das fronteiras com a Guiné-Conacri e a preparação de salas de algumas unidades de saúde para o eventual isolamento de algum caso suspeito de Ébola. Em cinco meses, a epidemia de Ébola na África ocidental, a pior desde a descoberta da doença em 1976, causou 1.145 mortes, de acordo com o último relatório da Organização Mundial de Saúde de 13 de agosto: 380 na Guiné Conacri, 413 na Libéria, 348 na Serra Leoa e quatro na Nigéria.
 

 Fonte: Veja Aqui

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Guiné-Bissau aconselhada a preparar planos de contingência para o ébola

Representantes da Organização Mundial de Saúde (OMS) e dos Médicos Sem Fronteiras (MSF) aconselharam a Guiné-Bissau a preparar-se para a eventualidade de surgirem no país casos suspeitos de ébola.


  O facto de a epidemia estar concentrada no interior sul da Guiné-Conacri – do lado oposto à sua fronteira com a Guiné-Bissau – e as más acessibilidades à zona fronteiriça, especialmente na época das chuvas, não devem servir de pretexto para baixar a guarda.

“É possível que alguns casos atravessem a fronteira e cheguem à Guiné-Bissau, por isso, mais vale que estejam preparados para detectar, isolar e tratar os doentes para evitar novos casos”, recomendou Jerôme Mouton, chefe de missão dos MSF na Conacri, onde a organização criou um centro de tratamento de ébola. Jerôme recorda que um dos últimos casos mal despistado na cidade deixou expostas 14 pessoas ao vírus – seis profissionais de saúde e oito familiares que contraíram o vírus.

“Estejam preparados” é também o alerta de Nyka Alexander, porta-voz da OMS que depois de ter passado por outros palcos de urgência sanitária no mundo exerce funções em Conacri.

No centro de coordenação para o combate ao ébola na sub-região (Guiné-Conacri, Serra Leoa e Libéria), pede-se vigilância aos países vizinhos. “A 8 de Agosto, quando a OMS declarou que esta é uma emergência de saúde pública de preocupação internacional, houve um conjunto de recomendações para os países afectados e também para os países vizinhos", recorda Nyka.

Para esta representante, os países fronteiriços devem “verificar os planos de contingência, sistemas e centros de reacção e mobilizar as pessoas”.

Outra mensagem que a organização faz passar concentra-se na urgência de fazer a detecção precoce da doença: quem tiver sintomas deve procurar os serviços de saúde para fazer o despiste do vírus o mais rápido possível.

Quanto antes o fizer e em caso de infecção, “maior possibilidade tem de sobreviver e de evitar o contágio de outras pessoas”, explica Alexander.
 

Fonte: Veja Aqui

No Brasil - Acessibilidade para pessoas com deficiência é tema de seminário no Rio

A acessibilidade para pessoas com deficiência é o tema do seminário Rio Cidade Acessível a Todos, que ocorre até o fim da tarde de hoje (15) e é realizado pelo Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MP-RJ). Especialistas das áreas jurídica e de arquitetura e urbanismo debatem o tem sob diversos aspectos, inclusive a preparação para as Olimpíadas de 2016 e Paralimpíadas. Entre os painéis em discussão estão “Acessibilidade, Legislação e Normas Técnicas”, “O Desenho Universal como Política Pública nos Grandes Eventos: Há Legado?” e “O Desenho Universal como Valor nos Projetos Urbanos e Arquitetônicos”. 


 Para o presidente do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Rio de Janeiro (CAU-RJ), Sydnei Menezes, nem sempre grandes obras se preocupam e com a questão da acessibilidade. "É incrível que as vezes nos deparamos com grandes obras, grandes iniciativas importantes que não levam ou não levaram em consideração o princípio de acessibilidade.

Então é muito comum, lamentavelmente no Brasil, a gente ver que obras principalmente públicas, não levaram em consideração a acessibilidade e aí, por força de lei, por força de uma atuação inclusive profissional da arquitetura e urbanismo, voltadas aos princípios da arquitetura, acaba exigindo que haja uma intervenção em obras já concluídas", contou. Sydnei Menezes acrescentou que o conceito da acessibilidade é básico e deve ser considerado pelos profissionais do setor.

 "A boa arquitetura parte da premissa de que você deve utilizar sempre o conceito da ventilação natural, o conceito da insolação e o conceito do posicionamento com relação a terreno.

 Eu incluiria a questão da acessibilidade nesses conceitos e princípios da arquitetura, porque é uma coisa tão óbvia, tão normal, tão necessária e tão importante que não precisaria ter uma regra, uma lei que obrigasse a instalação de itens de acessibilidade", disse.

O Rio de Janeiro recebeu, em junho e julho, jogos da Copa do Mundo e em 2016 vai sediar os jogos Olímpicos e Paralímpicos. Mesmo com a preparação para receber turistas não só do Brasil, mas do mundo todo, o presidente do CAU disse que os princípios de acessibilidade só foram implementados no estádio do Maracanã e no entorno, e não foram incorporados ao restante da cidade.

 Para Menezes, a oportunidade que o Rio vai ter com os Jogos Olímpicos, deve ser aproveitada e estendida para toda cidade.

O Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) pretende antecipar eventuais problemas que ocorram durante as Olimpíadas e, para o coordenador do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Proteção ao Idoso e à Pessoa com Deficiência, promotor Luiz Cláudio Carvalho de Almeida, a Copa do Mundo ensinou muito.

"A gente teve um aprendizado com a Copa do Mundo. A questão da acessibilidade na cidade do Rio de Janeiro não é diferente da do resto do Brasil, ou seja: tem muitas construções não acessíveis, a cidade não é acessível e a gente precisa ter uma estratégia para mudar essa realidade", explicou. Almeida contou que com as experiências anteriores, muita coisa tem que ser melhorada.

"Nas situações anteriores o Ministério Público judicializou, entrou com várias ações, não conseguiu resolver de maneira amigável.

A gente espera que na questão das Olimpíadas seja diferente, que a gente consiga evoluir através de um diálogo, até porque as normas de acessibilidade estão aí, são uma realidade", disse.

O advogado especialista em direito das pessoas com deficiência, Geraldo Nogueira, que é deficiente físico, acredita que a sociedade está em processo de transformação,

"A gente está em um processo de transformação da sociedade e a sociedade começa a absorver a ideia de que é preciso se conscientizar e se adaptar para receber os diferentes".

No dia a dia a gente sempre encontra adaptações, as formas alternativas, até que a sociedade comece efetivamente a se projetar como uma sociedade acessível para todos. Infelizmente a Copa do Mundo, comparando com as outras cidades, não vai deixar nenhum legado para as pessoas com deficiência, mas a nossa esperança permanece para o futuro das Olimpíadas e Paralimpíadas que vem aí", contou.

 Fonte: Veja Aqui

sábado, 16 de agosto de 2014

Semana da Acessibilidade terá Dia E no mês de setembro

O Conselho Municipal de Defesa dos Direito das Pessoas com Deficiência (CMPcD), membro do Fórum Permanente da inserção da pessoa com deficiência (PcD) no Mercado de Trabalho, se reuniu nesta quinta feira dia, 14, de agosto na sede Ministério Público do Trabalho de Sergipe e confirmou a realização do Dia E como uma das ações da Semana da Acessibilidade, que acontecerá em setembro deste ano.


A reunião do Fórum aconteceu às 15,horas e contou com a presença dos seus membros e convidados, entre os quais o parlamentar Lucas Aribé. A auditora fiscal do trabalho e coordenadora regional do projeto de Inserção das PcD no mercado de trabalho do Ministério do Trabalho e Emprego, Urcelina Porto, que ministrou a reunião, propôs a ação Dia E, como sendo o Dia da PcD Eficiente.

 O Dia E objetiva promover ações de qualificação e inclusão no mercado do trabalho.

 Dentro da explanação, considerou a coordenadora: É importante que a PcD comece a se conscientizar que é capaz de estar inserida no mercado de trabalho. Entre as ações propostas estão a expedição da carteira de trabalho gratuita, atendimento voltado ao Cadastro Único, com o apoio da Secretaria Municipal da Família e da Assistência Social (Semfas), balcão de atendimento voltado para adestramento das PcD nas vagas das empresas parceiras e oficina de confeção de currículos, com o apoio da Fundat.

 O presidente do CMDPcD, Everton dos Santos, está confiante. É uma oportunidade voltada para as pessoas com deficiência, uma vez que muitas empresas de grande porte parceiras vão estar lá preenchendo o cadastro e dispondo de vagas O Dia E faz menção à campanha nacional do Dia D, que é ação do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), com a finalidade de promover a inclusão e a igualdade através de ações de qualificação e conscientização das empresas para a inserção de pessoas com deficiência no mercado de trabalho, uma vez que a Lei Federal nº 8.213/91 (Lei de Cotas) obriga empresas com mais de 100 funcionários a incluírem pessoas com deficiência ou beneficiário reabilitado no seu quadro de efetivos. 

Ficou definido então que a ação do Dia E vai acontecer na da Praça Fausto Cardoso, das 8 às 16 horas, no dia 18 de setembro, dentro da programação da Semana da Acessibilidade.

  Fonte: Veja Aqui

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Guiné-Bissau: Governo isenta vulneráveis ao pagamento de custos hospitalares

Bissau - O Governo da Guiné-Bissau decidiu isentar as crianças até aos cinco anos, grávidas e idosos em idade de reforma, de qualquer pagamento em consultas nos hospitais públicos, anunciou o secretário de Estado da Administração Hospitalar, Domingos Malu.



O governante diz que a medida vai no sentido de "minimizar o sofrimento" da população guineense "mais carenciada".

 Ao abrigo da Política de Recuperação de Custos, as consultas e serviços médicos nos hospitais públicos são pagos, o que tem motivado críticas da população que por vezes se vê na impossibilidade de pagar.

 É recorrente a população atacar os serviços médicos por falta de atendimento. Por vezes há casos de morte de grávidas ou de crianças por alegada falta de assistência por não pagarem os serviços necessários ou por falta de dinheiro para a compra de medicamentos. Recentemente o primeiro-ministro mandou abrir um gabinete do governo no Hospital Simão Mendes, principal centro médico da Guiné-Bissau, ao qual serão entregues 7 mil e 600 euros por semana, para atender "casos de urgência de pessoas sem recursos".

 "As pessoas carenciadas não podem deixar de ter assistência médica e medicamentosa porque não têm dinheiro", defendeu Domingos Simões Pereira, ao anunciar a abertura do gabinete.

  Fonte: Veja Aqui

Guiné-Bissau já tem plano de contingência preparado. Viajantes para Bissau, Angola e Cabo Verde estão a contactar a Linha Saúde 24

Perto de mil mortos e mais de 1700 infectados na Serra Leoa, Guiné-Conacri, Libéria e Nigéria, desde Fevereiro, levaram a Organização Mundial de Saúde a organizar uma reunião, que começou ontem em Genebra, para discutir o uso de medicamentos experimentais para situações de emergência, como está a ser a epidemia do ébola em África, que a organização já declarou "emergência de saúde pública de carácter mundial".


No centro da região afectada pelo surto, a Guiné-Bissau não tem qualquer caso suspeito, mas o primeiro-ministro, Domingos Simões Pereira, já disse que o país "não pode estar descansado" com a epidemia.

 "Quando os países ao nosso redor como a Guiné-Conacri, a Serra Leoa e outros, já têm níveis de presença desse flagelo, a Guiné-Bissau não pode estar descansada e pensar que não corre riscos", pelo que a Guiné-Bissau tem um plano de contingência preparado e estava à espera que chegassem 15 toneladas de medicamentos de prevenção do ébola que foram enviadas por Portugal.

 O líder do governo pediu ainda uma mobilização da sociedade e da comunicação social para elevar o alerta e ajudar na sensibilização da população sobre o ébola.

 Ontem os portugueses prontos a viajar para Angola, Cabo Verde ou Guiné-Bissau estavam a contactar a Linha Saúde 24 para saber que cuidados devem adoptar.

 O enfermeiro Sérgio Gomes, da Linha Saúde 24, disse à Lusa que a informação que tem sido transmitida é "que o vírus ébola não está presente nestes países e aconselhamos as pessoas a ter os cuidados que qualquer viajante deve ter", com a alimentação e medicação. Em Portugal, a DGS colou cartazes nos aeroportos com informações sobre o vírus e procedimentos a adoptar.

 A reunião da OMS deve-se ao medicamento ZMapp, com que dois americanos e um padre espanhol infectados com o vírus ébola têm sido tratados com resultados promissores.

Vários médicos especialistas reuniram-se ontem para debater a elaboração de directrizes sobre o uso de medicamentos não autorizados em situações de emergência. Marie-Paule Kieny, assistente do director-geral da OMS, explica que a reunião que começou ontem quer saber se "é ético utilizar medicamentos não autorizados para tratar as pessoas e, em caso afirmativo, que critérios devem cumprir e em que condições, bem como quem deve ser tratado".

  Fonte: Veja Aqui

Guiné-Bissau vai encerrar as fronteiras com a Guiné-Conacri devido ao ébola


A Guiné-Bissau vai encerrar as fronteiras com a Guiné-Conacri devido ao surto de Ébola neste país. Esta é uma das medidas do programa de emergência sanitária face ao surto anunciado esta terça-feira pelo primeiro-ministro Domingos Simões Pereira no mesmo dia em que a Organização Mundial da Saúde (OMS) deu luz verde para o uso de terapias e vacinas não testadas em seres humanos contra a doença.



"Os ministérios da Defesa e do Interior têm instruções para tomar as medidas necessárias para efectivar o encerramento de fronteiras", anunciou Domingos Simões Pereira em conferência de imprensa, citado pela Lusa.

A Guiné-Bissau está entre o Senegal, a Norte, e a Guiné-Conacri, a Sul. A medida também terá em conta as zonas de passagem entre os dois países. Segundo Domingos Simões Pereira não há nenhum caso suspeito na Guiné-Bissau.

Mas os últimos dados da OMS mostram que a epidemia, que afecta também a Libéria, a Serra Leoa e a Nigéria, continua a aumentar: já infectou 1848 pessoas e matou 1013. Também esta terça-feira, a OMS admitiu o uso de terapias e vacinas experimentais para o combate ao ébola. Dada a dimensão do surto e não havendo tratamentos legais, o painel de ética da OMS que se reuniu na segunda-feira “chegou a um consenso de que é ético oferecer intervenções que ainda não foram comprovadas com eficácia e efeitos adversos desconhecidos, como um potencial tratamento ou prevenção” do ébola, lê-se numa declaração.

 A OMS definiu ainda critérios para o uso destes tratamentos como a “transparência sobre todos os aspectos de cuidado [médico], o consentimento informado, a liberdade de escolha, a confidencialidade, o respeito pela pessoa, a preservação da dignidade e o envolvimento da comunidade”.

 Mas a mudança não será, para já, uma resposta definitiva. O stock do único tratamento para já administrado a três pessoas, o ZMapp, é mínimo. “Têm menos de uma dúzia de doses”, disse Fadéla Chaib, porta-voz da OMS, citada pela Reuters. A empresa que produz este soro, a norte-americana Mapp Biopharmaceutical, disse também que já tinha esgotado as doses.

 O ZMapp ainda só foi administrado a dois norte-americanos, que contraíram a doença na Libéria, e a um padre espanhol que morreu ontem. Nancy Writebol, missionária de 60 anos, e Kent Brantly, médico de 33 anos, foram repatriados para Atlanta, nos EUA, e o seu estado de saúde está a melhorar, segundo a AFP. No entanto, sem ensaios clínicos em humanos, não se sabe a real eficácia do medicamento.

 A presidência da Libéria anunciou que vai receber algumas doses do soro experimental. Segundo Lewis Brown, ministro da Libéria, dois médicos deram o consentimento para receberem o ZMapp, avança a Reuters. A presidência liberiana disse ainda num comunicado que o envio do soro foi aprovado pela Casa Branca e a FDA (a agência que controla os medicamentos nos EUA).

Mas um responsável do Departamento de Saúde norte-americano assegurou à Reuters que Washington se limitou a mediar os contactos entre o Governo liberiano e a Mapp Biopharmaceutical. Além da Mapp Biopharmaceutical, há outros potenciais tratamentos a serem desenvolvidos por outras empresas.

A farmacêutica inglesa GlaxoSmithKline quer também iniciar os ensaios clínicos de uma vacina contra o ébola já em Setembro, juntamente com o Instituto Nacional das Alergias e Doenças Infecciosas, dos Estados Unidos. Para isso, terão de receber o aval da FDA.

A vacina introduz um vírus com dois genes do ébola. Segundo o instituto, “este vírus não se replica nas células”, mas as proteínas do ébola são expressas e o sistema imunitário pode criar uma resposta imunitária. “A vacina mostrou ser promissora quando foi testada num modelo primata”, lê-se no site do instituto.
Se tudo correr bem, poderá ser aplicada já em 2015.

 Fonte: Veja Aqui

Angola - Portadores de deficiência recebem motorizadas no Cunene

Ondjiva - Vinte e quatro pessoas portadoras de deficiência, integradas em quatro cooperativas de moto-táxi do município do Cuanhama, província do Cunene, beneficiaram hoje, terça-feira, de motociilo de três rodas, no quadro do programa de geração de trabalho e renda própria.


Os meios de transporte foram entregues pela Direcção Provincial da Assistência e Reinserção Social no Cunene e, segundo o seu director, Mateus Ndilipopio, inserem-se na promoção de políticas para a integração socioeconómica dos portadores de deficiências físicas. Segundo disse, o programa vai abranger 23 cooperativas em todos municípios da província, num universo de 982 pessoas com deficiência, com vista a contribuir para a atenuação dos seus problemas e redução da pobreza.

 Segundo o responsável, o governo da província está engajado na materialização de projectos que visam a melhoria de vida das pessoas mais vulneráveis, sobretudo dos portadores de deficiência física e idosos, no quadro da implementação do Programa de Combate à fome e à pobreza.

  Fonte: Veja Aqui

Guiné-Bissau fecha fronteiras com Conacri para travar ébola


Primeiro-ministro anuncia Programa de Emergência Sanitária. Entre as medidas, consta a proibição de aglomerações de pessoas. Ainda sem casos suspeitos, já estão previstos hospitais de campanha.



O primeiro-ministro da Guiné-Bissau anunciou hoje um Programa de Emergência Sanitária que inclui o encerramento das fronteiras com a Guiné-Conacri e a proibição de aglomerações de pessoas para prevenir a entrada do vírus Ébola no país.

 "Os ministérios da Defesa e do Interior têm instruções para tomar as medidas necessárias para efetivar o encerramento de fronteiras", anunciou Domingos Simões Pereira em conferência de imprensa.

 A medida terá também em atenção as zonas de passagem não oficial entre os dois países, referiu. Está igualmente previsto um reforço das patrulhas marítimas e do controlo de passageiros no aeroporto - as companhias que voavam entre Bissau e os países afetados suspenderam as rotas, referiu, mas haverá atenção redobrada com quem chega de forma indireta.

 O Programa de Emergência Sanitária inclui a suspensão de atividades que impliquem ajuntamentos.


 "Os ministérios da Saúde e Administração Interna irão decretar a suspensão de quaisquer atividades que impliquem aglomerados" tais como os "lumos", mercados nas povoações fronteiriças, referiu Simões Pereira. Está também prevista a instalação de hospitais de campanha que serão espaços de referência para acolher eventuais casos suspeitos. Essas áreas vão ser criadas nos próximos dias no Hospital Simão Mendes, principal hospital do país, em Bissau, no Centro de Saúde Plack, também na capital, e no Centro de Formação de João Landim, alguns quilómetros a norte de Bissau. Haverá ainda um destacamento de equipas para a fronteira e outros locais afastados dos centros de referência, com recurso a tendas. "Continua a não haver nenhum caso suspeito registado" "Continua a não haver nenhum caso suspeito registado" na Guiné-Bissau, destacou o primeiro-ministro, mas "os números começam a ser alarmantes", apesar de ainda estarem longe da fronteira e "recomendam" que se tomem medidas de prevenção.

 Domingos Simões Pereira fez também um apelo ao Presidente da República, José Mário Vaz, para que contacte as entidades norte-americanas e avaliar a possibilidade de o país beneficiar do medicamento que os EUA estão a usar para o tratamento de Ébola.

 O governo está a trabalhar com parceiros internacionais para ter à disposição medicamentos, conjuntos de proteção pessoal, de recolha de amostras e de diagnóstico de Ébola.

 Noutra ação, na sexta-feira, os membros do executivo vão dar o exemplo e ser os primeiros a doar sangue numa campanha de recolha para repor os stocks nacionais, igualmente prevista no programa.

 Para os próximos dias está agendada a criação de uma linha verde para onde qualquer pessoa pode ligar e reportar casos suspeitos.

 O primeiro-ministro pediu ainda que os espaços de atendimento público tenham água com lixívia à porta para os clientes desinfetarem as mãos e desencorajou as saudações, sejam apertos de mão ou beijos.

 "É altura de informarmos de forma ponderada e tranquila a nossa população.


 Temos condições de para realizar prevenção e esperamos que as medidas sejam suficientes para evitar a entrada da epidemia", concluiu.

  Fonte: Veja Aqui

Brasil - Projeto qualifica pessoas com deficiência para o mercado de trabalho

Objetivo é contribuir para o desenvolvimento pessoal, social e o exercício pleno da cidadania do aluno 


 Um projeto, realizado com apoio da Petrobras, busca inserir pessoas com deficiência da Grande Vitória (ES) no mercado de trabalho. Coordenado pela Associação de Pais, Amigos e Pessoas com Deficiência de Funcionários do Banco do Brasil e da Comunidade (Apabb), o projeto Empregabilidade da Pessoa com Deficiência – Superação e Autonomia, promove a qualificação profissional de 80 pessoas com deficiência, e foi classificado na seleção pública Integração Petrobras Comunidades (IPC).

 Os alunos, com idade entre 18 e 40 anos, terão acesso à informática, estímulo à convivência interpessoal e vivência na área administrativa.

 O objetivo é contribuir para o desenvolvimento pessoal, social e o exercício pleno da cidadania do aluno. “Por conta da exigência da lei, as empresas são obrigadas a contratar profissionais com deficiência, mas têm dificuldades para encontrar pessoas qualificadas neste segmento. Com o projeto, estamos também preenchendo essa lacuna entre oferta e demanda”, explica a coordenadora do projeto, Tânia Brandão. Tânia frisa que o diferencial do projeto é o acompanhamento da evolução do profissional.

 “Temos um projeto inovador que qualifica, encaminha e acompanha o profissional no mercado de trabalho, assim conseguimos minimizar as chances de não dar certo.

Além disso, fornecemos esclarecimentos ao empregador sobre o portador de deficiência, desmistificando uma série de questões acerca desse público”, diz. Integração Petrobras Comunidades

 A seleção pública Integração Petrobras Comunidades 2013 contempla as cidades de Anchieta, Aracruz, Cachoeiro de Itapemirim, Cariacica, Conceição da Barra, Fundão, Itapemirim, Linhares, Piúma, São Mateus, Serra, Vila Velha e Vitória. Os projetos atuam com foco em pelo menos uma das seguintes linhas: geração de renda e oportunidade de trabalho, educação para a qualificação profissional e garantia dos direitos da criança e do adolescente. Criada em 2008, Integração Petrobras Comunidades é uma seleção pública voltada para o desenvolvimento de iniciativas em comunidades do entorno das unidades da companhia. Por meio dele, a empresa reforça o compromisso de contribuir para o desenvolvimento das regiões onde atua, além de garantir a democratização do acesso aos pedidos de patrocínios e a transparência na escolha dos projetos selecionados.

  Fonte: Agência Petrobras

domingo, 10 de agosto de 2014

Campeonato do Mundo de Boccia Pequim 2014

Decorrerá em Pequim, China, entre os dias 19 e 28 de Setembro de 2014, o Campeonato do Mundo de Boccia.




A seleção nacional, como habitualmente, será um dos grupos mais fortes e candidatos aos lugares mais altos dos pódios em todas as categorias. Basta termos em consideração os resultados obtidos em provas internacionais recentes e os lugares que os nossos atletas ocupam no ranking mundial da modalidade para encararmos a prova com optimismo e confiança.

 Conscientes da evolução de atletas provenientes dos quatro cantos do mundo, a nossa seleção tem noção das dificuldades que enfrentará, mas irá certamente encher-nos uma vez mais de orgulho.

  Fonte: PCAND


Noticia do Blogue «Tetraplégico» Eduardo Jorge

Banco de produtos de apoio em Leiria


A Câmara Municipal de Leiria decidiu criar um banco de equipamentos dirigido a pessoas com mobilidade reduzida. O objetivo é servir de promotor e intermediário entre instituições e pessoas que cedam equipamentos, como cadeiras de rodas, canadianas, andarilhos, camas articuladas, que, em devido estado de conservação, vai passar a ser fornecido temporariamente ou em períodos de longa duração a pessoas e a entidades que necessitem. O beneficiário compromete-se assim a realizar a entrega do equipamento quando deixar de precisar dele, nas mesmas condições em que foi cedido, ou seja, funcional e bem conservado.



A proposta do Banco de Ajudas Técnicas do município de Leiria, criado pelas necessidades da população leiriense mais fragilizada e com mobilidade reduzida, foi aprovada em reunião de Câmara, na terça-feira.

  Fonte: As Rodinhas


Noticia do Blogue «Tetraplégico» Eduardo Jorge

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

No Brasil - Senar-GO abre concurso com vagas para pessoas com deficiência

O Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar-GO), assessorado pela Fapetec (Fundação de Apoio a Pesquisa Ensino, Tecnologia e Cultura), abre inscrições para processo seletivo e contratação de auxiliar técnico de marketing e eventos (nível superior), auxiliar de serviços administrativos e telefonista (nível médio), para atuar na cidade de Goiânia.


 Ao todo, a entidade disponibiliza seis vagas, sendo que metade delas são destinadas a pessoas com deficiência (PCD). Para a área de Marketing e Eventos, a exigência é de formação universitária completa, reconhecida pelo MEC. O salário é de R$ 3.158,56 e os candidatos devem ter experiência mínima de seis meses em publicidade e marketing de negócios e/ou design gráfico e/ou artes visuais. Já as outras quatro vagas são para candidatos com formação no ensino médio, também reconhecida pelo MEC.

 Duas para auxiliar administrativo e duas para telefonista. Os salários são de R$ 1.396,61 e R$ 959,00, respectivamente. Além dos salários, a instituição oferece plano de saúde, vale-transporte, seguro de vida em grupo e auxílio alimentação. As inscrições vão até o próximo dia 14 e só podem ser feitas pelo site da Fapetec.


 Fonte: Veja Aqui

quarta-feira, 6 de agosto de 2014

W3C Brasil abre inscrições para o Prêmio de Acessibilidade na Web

Terceira edição do prêmio Todos@Web reconhece iniciativas que favorecem a quebra de barreiras de acesso à web por pessoas com deficiência.

 


 Se você promove um trabalho de fomento e incentivo à acessibilidade na web no Brasil, ou fez um website que não cria barreiras de acesso para pessoas com deficiência, ou desenvolveu uma aplicação que torna possível pessoas com deficiência navegarem na web, inscreva-se na 3ª edição do Prêmio Nacional de Acessibilidade na Web – Todos@Web. O Brasil possui hoje mais de 40 milhões de pessoas com algum tipo de deficiência, segundo o censo do IBGE de 2010.

 Elas potencialmente enfrentam dificuldades para navegar em sites web, uma vez que a maioria deles não leva em conta potenciais dificuldades de acesso da parte do usuário e, por conta disso, reforçam a exclusão digital. "O objetivo do prêmio é fomentar e conscientizar sobre a importância da acessibilidade na web e o desenvolvimento de sites que não criam barreiras para pessoas com deficiências temporárias ou permanentes", ressalta Reinaldo Ferraz, especialista em desenvolvimento web do W3C Brasil. As inscrições ao prêmio são gratuitas e estão abertas até o dia 30 de setembro através do site: http://premio.w3c.br/inscricoes/.

 Um grupo formado por especialistas em acessibilidade, usabilidade, desenvolvimento web, representantes de instituições de auxílio a pessoas com deficiência, representantes de governos Federal, Estadual e Municipal e pessoas com deficiência avaliarão todas as inscrições válidas antes de selecionar os finalistas.

Aqueles que apresentarem os melhores trabalhos serão notificados pelos jurados para que possam promover eventuais melhorias em seus projetos. Na cerimônia de premiação, prevista para o dia 4 de dezembro em São Paulo – na semana do Dia Internacional da Pessoa com Deficiência –, os finalistas apresentarão os trabalhos para os jurados, que escolherão os vencedores.

 Qualquer brasileiro com mais de 18 anos de idade, residente no Brasil, com situação regular e que possua projetos digitais voltados para a acessibilidade na web podem se inscrever. Os detalhes sobre a premiação e os critérios de seleção estão disponíveis no regulamento:

 http://premio. w3c.br/regulamento/. 


  Fonte: Veja Aqui

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Guiné-Bissau confirma 13 casos de cólera no sul e dois óbitos

O diretor-geral da Prevenção e Promoção da Saúde Pública da Guiné-Bissau, Nicolau Almeida, disse hoje à Lusa que 13 pessoas foram infetadas com cólera no sul do país, duas das quais morreram.


 Os casos registados até aqui aconteceram na região de Tombali, na aldeia de Calak, junto à fronteira com a Guiné-Conacri.

 «Apesar de tudo, a situação está sob controlo», salientou Nicolau Almeida, destacando que as infeções e os óbitos foram referenciados desde o início de julho.

 O responsável acrescentou que a cólera não chegou a Bissau, nem a outras zonas do país e disse estar em curso um plano de vigilância permanente.

 Na zona afetada, a região sanitária de Calak, existe uma equipa de «resposta rápida» munida de medicamentos e material de assistência, indicou Nicolau Almeida.

 Questionado sobre o facto de a cólera ser recorrente naquela aldeia, o responsável do ministério da Saúde Pública guineense defendeu que tal poderá estar ligado à proximidade com a Guiné-Conacri, onde a doença «é quase endémica».

«Não se fez um estudo para se ter uma ideia concreta sobre os motivos, mas a cólera é quase que endémica na vizinha república da Guiné-Conacri, que é próxima da região de Tombali, pode ser por isso», observou Nicolau Almeida.

 O facto de a zona ter dificuldades para o acesso à água potável de qualidade também poderá explicar a frequência de doenças diarreicas, sublinhou.


Fonte: Diário Digital com Lusa

quarta-feira, 30 de julho de 2014

Apex-Brasil abre inscrição para novo processo seletivo com oportunidades para Pessoas com Deficiência (PCD) em Brasília

– Já estão abertas as inscrições para novo processo seletivo da Apex-Brasil. São 3 vagas para profissionais de nível médio exclusivas para pessoas com Deficiência e 1 vaga para nível universitário completo para atuar na cidade de Brasília.

  ASII-01 Assistente II (exclusivo para PCD – Pessoa com Deficiência) 3 vagas A definir Nível Médio completo, com diploma reconhecido pelo MEC ANIII-02 Analista de Gestão Corporativa III 1 vaga Planejamento e Desempenho Organizacional Formação universitária completa (graduação) em qualquer área de atuação, com diploma reconhecido pelo MEC. A experiência a ser comprovada e demais requisitos das oportunidades encontram-se descritos nos Comunicados de Seleção publicados no site da FAPETEC. Para participar do processo seletivo, o candidato precisa se inscrever até o dia 06 de agosto, sem pagar nenhuma taxa, SOMENTE pelo site www.fapetec.org –> banner “Apex-Brasil” –> link “Seleções” –> “Seleção Apex-Brasil – (digitar o código da vaga de interesse) ”. IMPORTANTE: Para acessar o sistema de inscrição, recomenda-se a utilização dos seguintes navegadores: Internet Explorer (versão superior a 8) ou Mozila Firefox ou Google Chrome. O contrato de trabalho será regido pela CLT – Consolidação das Leis Trabalhistas, com jornada de 40 (quarenta) horas semanais. A Apex-Brasil oferece ao contratado Assistência Saúde, Assistência Odontológica, Auxílio Enfermidade, Plano de Previdência Privada, Auxílio Idioma, Auxílio Educação, Auxílio Creche-Escola, Seguro de Vida em Grupo, Vale-Transporte e Vale Alimentação/ Refeição, conforme disposto em Acordo Coletivo de Trabalho de 2014. Todo e qualquer esclarecimento a respeito desse processo seletivo deverá ser feito SOMENTE POR ESCRITO, através do endereço eletrônico: apexbrasil@fapetec.org. A FAPETEC (Fundação de Apoio a Pesquisa, Ensino, Tecnologia e Cultura) é a empresa contratada pela Apex-Brasil para assessorá-la nesse processo.

 

  Fonte: Veja Aqui

sexta-feira, 25 de julho de 2014

No Brasil - Empresas aderem ao programa de inclusão social de PG

Programa de Inclusão da Pessoa com Deficiência no Mercado de Trabalho cria banco de dados para inserir a pessoa que quer trabalhar na função e empresa corretas

 

As 12 primeiras empresas a aderirem ao Programa de Inclusão de Pessoas com Deficiência no Mercado de Trabalho (Pro-PCD) assinaram, nesta quarta-feira, o termo de adesão, abrindo caminho para a expansão do projeto. Com isso, elas se comprometem a abrir vagas para o Pro-PCD, tendo total apoio e suporte das empresas envolvidas. O Pro-PCD é um trabalho de inclusão social que vem sendo desenvolvido em parceria entre prefeitura de Ponta Grossa, por meio da Secretaria de Industria, Comércio e Qualificação Profissional, a Federação das Indústrias do Estado do Paraná (FIEP) e demais parceiros. Desde 2013,

quando iniciou sua implantação, o programa possibilitou a inserção no mercado de trabalho de 318 pessoas com deficiência. As 12 primeiras empresas a aderirem ao Programa de Inclusão de Pessoas com Deficiência no Mercado de Trabalho (Pro-PCD) assinaram, nesta quarta-feira, o termo de adesão, abrindo caminho para a expansão do projeto. Com isso, elas se comprometem a abrir vagas para o Pro-PCD, tendo total apoio e suporte das empresas envolvidas. O Pro-PCD é um trabalho de inclusão social que vem sendo desenvolvido em parceria entre prefeitura de Ponta Grossa, por meio da Secretaria de Industria,

 Comércio e Qualificação Profissional, a Federação das Indústrias do Estado do Paraná (FIEP) e demais parceiros. Desde 2013, quando iniciou sua implantação, o programa possibilitou a inserção no mercado de trabalho de 318 pessoas com deficiência. Tozetto, Masisa do Brasil, Água Florestal, Águia Química, Águia Sistemas de Armazenagem, Heineken, Scheffer Logística e Automação, Braspine Madeiras, Metal gráfica Iguaçu, Teleponta Soluções em Call Center Eireli, Supermercado Superpão e Cescage são as pioneiras no programa e receberão suporte na contratação dos profissionais. Estas empresas colaboram também para a abrangência do programa. Será através delas que o Pro-PCD conseguirá ampliar seu mapa de estudo, detetando demandas a serem sanadas e cursos profissionalizantes a serem desenvolvidos. Empresas que estiverem interessadas em aderir ao Pro-PCD devem procurar a Agência do Trabalhador, onde serão informadas sobre o programa. Ponta Grossa já se destaca nacionalmente com o desenvolvimento do PRO-PCD.

No mês de junho, o município recebeu o Selo Internacional Objetivos do Desenvolvimento do Milênio (ODM) em reconhecimento pelo trabalho de inclusão social que vem sendo desenvolvido. Foi também através desse programa que Ponta Grossa recebeu a certificação do Ministério do Trabalho e do Emprego pelo cumprimento da lei 8.213/91, que fixa cota mínima de pessoas com deficiência a serem contratadas pelas empresas com cem ou mais empregados.

 O Ministério do Trabalho e do Emprego já demonstrou, ainda, a intenção de implementar o programa em todo o Brasil, tornando Ponta Grossa pioneira nesta ação. “É um orgulho muito grande termos criado aqui em Ponta Grossa um programa que será replicado em todo o Brasil. Essas pessoas não estão sendo contratadas para cumprir uma lei, mas sim pela competência e profissionalismo delas”, disse o prefeito Marcelo Rangel durante a assinatura do termo de adesão das empresas.

 “Estas empresas são parceiras da prefeitura e da população”, disse o prefeito, enfatizando ainda que a inserção do deficiente no mercado do trabalho é uma das premissas da atual gestão. Segundo o coordenador da FIEP e ex-secretário de Indústria, Comércio e Qualificação Profissional, Álvaro Scheffer – e um dos principais articuladores e incentivadores do programa – o Pro-PCD prevê, através de parcerias, a adequação do ambiente de trabalho, se necessário, para este trabalhador. Em outra ponta, o Pro-PCD está montando na Agência do Trabalhador, sob a coordenação de uma assistente social, um banco de dados sobre a mão de obra específica, caracterizando o grau de deficiência, capacidade profissional e instrução de cada um. Estes dados serão cruzados com as informações prestadas pelas empresas e indústrias sobre o perfil profissional desejado.

 “Não temos que ser obrigados, por lei, a cumprir a nossa responsabilidade social. Além do mais, não é um deficiente que está sendo empregado, é a empresa que está ganhando um bom profissional”, disse Scheffer. O programa pontagrossensse foi elogiado pelo vice-governador Flávio Arns, presente na assinatura do termo de adesão. “Este é um processo muito bom, de muita qualidade que está em construção”, disse.

 A secretária estadual da Família e do Desenvolvimento Social, Fernanda Richa, também destacou a ação desenvolvida em Ponta Grossa. “São ações concretas, como essa, que mostram que o nosso trabalho vale a pena”, disse Fernanda

  Fonte: Veja Aqui

segunda-feira, 14 de julho de 2014

Guiné-Bissau: Simões Pereira visita Hospital Nacional Simão Mendes

Bissau – O Primeiro-ministro Domingos Simões Pereira visitou esta sexta-feira, 11 de Julho, o Hospital Nacional Simão Mendes, na companhia da ministra da Saúde, Valentina Mendes, e do Secretário de Estado da Administração Hospitalar, Domingos Malu.

Durante a visita o Chefe do Governo guineense passou pelo serviço de Urgência, pelo banco de sangue, pela maternidade e pela pediatria da maior unidade hospitalar do país. Em declarações à PNN, Simões Pereira disse que esta visita serviu para entender a gravidade da situação e as dificuldades que o sector da Saúde enfrenta, pelo que é obrigatório fazer alguma coisa para mudar a situação. Neste sentido, o Primeiro-ministro disse que sai do Hospital Nacional Simão Mendes como um cidadão responsável, que sente que não pode baixar os braços pois a população acredita no seu Executivo, tendo obrigação de corresponder às suas expectativas. Simões Pereira anunciou que as visitas às sextas-feiras passarão a incluir a agenda semanal do seu trabalho, contudo ainda se desconhece a instituição a ser visitada na próxima semana. Durante a visita a PNN constatou vários doentes deitados no corredor do banco de socorro à espera de serem atendidos, bem como a falta de energia elétrica para conservação de sangue e o fraco atendimento das mulheres na maternidade desta unidade hospitalar. À margem desta visita, Simões Pereira anunciou a sua deslocação a Bruxelas, com o fim de negociar com a União Europeia o desbloqueamento do 9.º FED, assim como a retoma para breve dos voos da TAP para Bissau.

  Fonte: Veja Aqui

Bolivianos buscam apoio para pessoas com deficiência

Um grupo de portadores de necessidades especiais da Bolívia chegou nesta sexta-feira (11) a Corumbá (MS), com o intuito de pedir ajuda ao prefeito Paulo Duarte para que um pedido de apoio às pessoas com algum tipo de deficiência chegue à presidente Dilma Rousseff e que ela interceda junto a Evo Morales, presidente boliviano.

A deputada nacional da Bolívia, María Cristina Viscarra Gil, vem trabalhando pela causa desde 2007. “Como deputada nacional faz muito tempo que trabalho com pessoas portadoras de necessidades especiais e é a terceira vez que tentamos buscar apoio no Brasil. O governo de Evo Morales nunca respondeu aos pedidos para termos um centro de reabilitação e conseguir uma melhor qualidade de vida”, disse Maria Cristina ao site Diário Corumbaense. A luta começou desde que o presidente boliviano prometeu renda de 3.500 bolivianos por ano ou 500 bolivianos mensais aos portadores de necessidades especiais, que até hoje não receberam nada. O principal objetivo do grupo é entregar duas cartas ao prefeito Paulo Duarte para que ele ajude na luta. “Agora que conseguimos chegar ao Brasil, o que vamos fazer é entregar duas cartas ao prefeito, uma por parte das pessoas com necessidades especiais e outra de minha parte, como deputada nacional para que cheguem à presidente Dilma Rousseff, e consequentemente, Evo Morales escute estas pessoas na Bolívia”, explicou a deputada. “Somos de diferentes departamentos [estados] da Bolívia, mas somos todos um só. O que estamos fazendo é que os governantes daqui possam falar com a presidente Dilma para que ela possa interceder em nosso país junto ao presidente Evo, para que tenham benefício com uma renda especifica”, disse Zandi Lupa, representante nacional do grupo. O Comitê do Departamento de Pessoas com Incapacidades (CODEPEDIS) da Bolívia começou a viagem em 30 de abril, saindo de Oruro, para vir ao Brasil na luta pelos seus direitos como cidadãos. Após a chegada, o grupo visitou a APAE de Corumbá para conhecer as instalações e ver o que pode ser implantado na Bolívia, caso consigam o apoio do governo daquele País.

  Fonte: Veja Aqui

Especialista Cabo Verde tem boas práticas de direitos humanos, mas há muito para corrigir

A presidente da Comissão Nacional para os Direitos Humanos e Cidadania (CNDHC) de Cabo Verde disse hoje que o país tem boas práticas neste domínio, mas admitiu que ainda há muitas situações que precisam de ser corrigidas.

 

Zelinda Cohen, que falava aos jornalistas no intervalo da 34.ª Reunião Plenária da CNDHC, indicou que as maiores violações acontecem em questões de género, abusos sexuais contra crianças, acessibilidades para pessoas com deficiência, direitos económicos, sociais e culturais e violência policial. "Cabo Verde é tido com um país de boas práticas de direitos humanos, mas isso não quer dizer que devamos cruzar os braços. Há muito por corrigir e a Comissão existe exatamente para verificar as situações que precisam ser denunciadas e corrigidas, não só a nível preventivo, mas também a nível de justiça", sublinhou a responsável. Para Cabo Verde alcançar outro nível no que diz respeito aos direitos humanos, Zelinda Cohen entendeu que todos devem ficar mais vigilantes, debater, fazer recomendações, denunciar e tratar os casos de violação graves e "ir corrigindo" dentro das organizações e na sociedade. "Os direitos humanos são sempre um desafio para as sociedades, nunca é possível sermos completamente respeitadores. Há fenómenos sociais que acorrem de violação, mas podemos trabalhar no sentido de infundir uma cultura de direitos humanos na sociedade", prosseguiu. Para Zelinda Cohen, as violações aos direitos humanos em Cabo Verde não têm nada a ver com falhas na legislação, mas sim com as atitudes e mentalidades das pessoas e com as práticas institucionais. "Temos das legislações mais interessantes a nível dos direitos humanos. A própria Constituição da República é fundada na declaração universal dos direitos humanos. Mas isso é um trabalho constante que devemos fazer, e cada vez com maior eficiência e eficácia", desafiou a presidente da CNDHC, composta por 27 comissários, entre representantes de entidades governamentais, partidos políticos, sindicatos, jornalistas e outras organizações da sociedade civil. Segundo o último relatório de 2013 do Departamento de Estado norte-americano, a violência policial, atrasos em julgamentos, abusos contra crianças e trabalho infantil foram alguns dos problemas de direitos humanos registados em Cabo Verde.

 

  Fonte: Veja Aqui

sábado, 12 de julho de 2014

Presidente da Anda participa na Assembleia Geral de deficientes em São Tomé

Luanda - O presidente da Associação Nacional de Deficientes de Angola, Silva Lopes Etiambulo, participa de 11 a 12 do corrente mês na Assembleia Geral dos deficientes de São Tomé e Príncipe a decorrer na capital desse país africano.

 
Silva Etiambulo participa nesse encontro na qualidade de membro da Associação Mundial de Pessoas com Deficiência (DPI) e no âmbito do protocolo de cooperação existente, desde 1998, entre a Anda e a organização são-tomense, rubricado aquando da realização da primeira assembleia de associações da CPLP. Em declarações hoje, quinta-feira, à Angop, antes da sua partida para o arquipélago, o responsável informou que vai aproveitar a oportunidade para transmitir a experiência da organização que dirige à sua congénere africana. Afirmou, por outro lado, que a Anda e a Associação Nacional de Portadores de Deficiência de São Tomé e Príncipe têm laços de amizade desde 1993, altura da sua fundação. Vai também transmitir apoio institucional, bem como informar as ações que têm sido desenvolvidas em Angola para a melhoria das condições de vida dos portadores de deficiência.

 Fonte: Veja Aqui

sexta-feira, 11 de julho de 2014

No Brasil - Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência

A Ordem dos Advogados do Brasil (Londrina), está instalando uma Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência


. Segundo a assessoria, nesta quinta-feira, dia 10, começam as atividades da Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência. A reunião de instauração e definição do trabalho da comissão está marcada para 9 horas e todos os advogados interessados no tema estão convidados a comparecer e integrar o grupo.

 A comissão será coordenada pelo advogado José Luis Pascual Filho. Os demais cargos serão ocupados pelos advogados Guilherme Fonseca, como vice-coordenador; Danielle Alvarez Silva, como secretária e Renata de Freitas Becegato, como membro efetiva.

 Fonte: Veja Aqui

segunda-feira, 7 de julho de 2014

Portugal - Empresas usam indevidamente apoios à contratação de pessoas com deficiência

Este e outros dados constam do relatório preliminar "Monitorização dos Direitos Humanos das Pessoas com Deficiência em Portugal"

 


Muitas das empresas que contratam pessoas com deficiência, ao abrigo de apoios estatais, usam indevidamente esses apoios, obrigando estes trabalhadores a saltar de estágio em estágio e a uma situação de precaridade, concluíram investigadores nacionais. Este e outros dados constam do relatório preliminar "Monitorização dos Direitos Humanos das Pessoas com Deficiência em Portugal", que é apresentado hoje, em Lisboa, no âmbito da terceira conferência anual da Associação Europeia de Estudos da Deficiência, que decorre nos dias 03 e 04 de julho no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas. Em declarações à agência Lusa, uma das autoras do relatório, Paula Campos Pinto, que teve por base 60 entrevistas a pessoas com deficiência, com idades entre os 12 e os 70 anos, disse ter concluído que "há uma utilização indevida dos apoios existentes" dados pelo Estado para incentivar a contratação destas pessoas. "Os incentivos que existem, que o Estado tem vindo a desenvolver, de medidas de apoio ao emprego para as pessoas com deficiências, são muitas vezes portas de entrada das pessoas para o mercado de trabalho, mas assim que esses incentivos terminam, não existe muitas vezes a vontade, por parte das entidades, empregadoras de manter esses postos de trabalho", apontou Paula Campos Pinto. Como consequência, estas pessoas "acabam por ter uma situação muito precária no mercado de trabalho", considerou a investigadora. "Saltam de estágio em estágio, de curso de formação em curso de formação, sem nunca conseguirem uma inclusão económica plena, uma estabilidade profissional na carreira, como é ambição de qualquer um de nós", sublinhou Paula Campos Pinto. Nesse sentido, a investigadora entende ser importante que o Estado repense a forma como estes apoios estão a ser disponibilizados às empresas, crie medidas mais restritivas que obriguem a algum grau de compromisso por parte dos empregadores e fiscalize a sua aplicação. Entende também que é obrigação do Estado dar o exemplo, ativando a lei das quotas e criando o número de lugares disponíveis para pessoas com deficiência também na função pública. No que diz respeito à função pública, a investigadora apontou que há também bons exemplos, nomeadamente ao nível das autarquias, "que têm feito um trabalho importante na inclusão social e na criação de postos de trabalho para pessoas com deficiência", admitindo, no entanto, que no Estado central "às vezes há mais dificuldades".
 
Fonte: Veja Aqui

segunda-feira, 30 de junho de 2014

Cabo Verde - Reitora preside “Jornada sobre a integração social e laboral de pessoas com deficiência”

A magnífica Reitora da Uni-CV, Prof. Doutora Judite Nascimento, presidiu esta manhã a "Jornada sobre a integração social e laboral de pessoas com deficiência", uma atividade organizada pelo CIGEF, Centro de Investigação em Género e Família, em parceria com o SIMPROMI, (Projeto incluye 010), através do IEFP.

 

A luta pela inclusão das pessoas com deficiência, principalmente no mercado de trabalho é uma forma de garantir o direito ao desenvolvimento pessoal, à comunicação com o tecido social em que se está inserido e com o mundo que se diz globalizado. Este objetivo de inclusão é também uma intenção catalisadora de oportunidades de conhecer novos horizontes e novos desafios, de testar limites e desenvolver potencialidades e habilitações profissionais, escolares e académicas.


Numa sociedade em que o valor do ser humano está pautado principalmente sobre a sua produtividade, deveria ser impensável a exclusão de oportunidades de aprendizagem. Deve-se promover ações de inclusão e acessibilidade para as pessoas com deficiências. É nesta senda, que a magnífica Reitora centralizou o seu discurso, apoiado na premissa de que as pessoas com necessidades especiais não devem ser ostracizadas, mas sim devem ter a igualdade de oportunidade com os demais ditos "normais" no mercado laboral.


Para o Diretor Geral do Trabalho, Raimundo tavares, "... o estado deve criar todas as condições necessárias para a inclusão de pessoas com deficiências no mercado do trabalho e desenvolver políticas que promovam a criação de condições para a acessibilidade de pessoas com deficiência no mercado laboral". Acrescenta ainda que o estado tem por obrigação proibir qualquer tipo de discriminação contra as pessoas com deficiência e deve protegê-las.


A "Jornada sobre a integração social e laboral de pessoas com deficiência" teve lugar esta manhã, no Auditório da Biblioteca Nacional, onde foram apresentados vários painéis: PAINEL I – QUADRO LEGAL E POLÍTICAS DE EMPREGO E DE FORMAÇÃO 09h30: Marco legal cabo-verdiano que regula o emprego e a integração de pessoas com deficiência. Ratificação da Declaração Internacional dos Direitos das Pessoas com Deficiência por parte do governo de Cabo Verde – Dr. Raimundo Tavares, Diretor Geral do Trabalho e Emprego.


09 H50: Recursos existentes atualmente, em Cabo Verde, para o cuidado de pessoas com deficiência – Dr. Lamine Tavares, Diretor da DGSS 10h10: Debate (30min) - Moderadora: Dra. Filomena Amador, Coordenadora das Casas de Direito 10h40: Pausa café PAINEL II – INTEGRAÇÃO ESCOLAR E LABORAL E ACESSIBILIDADE 11h00: Integração escolar de pessoas com deficiência; - MED • Dra. Eunice Afonso e Dra. Ana Bela Teixeira, Delegação Escolar do MED (Praia): Inclusão das PCD no sistema de Ensino Regular • Dra. Maria José Alfama (Uni-CV): "Perceção sobre a inclusão escolar de pessoas portadoras de deficiência em Cabo Verde" 11h40: Acessibilidade de pessoas com deficiência – Dr. Manuel Júlio Rosa, FECAD 12h00: A visão sobre o Emprego e Formação das Pessoas com Deficiência – Dr. Manuel Júlio Rosa, FECAD 12h20: Debate (30min) - Moderadora: Dra. Zelinda Cohen, CNDHC 12h50: Pausa Almoço 


 PAINEL III – PROJECTO INCLUYE 010 – OBJECTIVOS E RESULTADOS 14h30: Objetivos y resultado del proyecto Incluye 010 - Doutora María Jesús Heras Nieva e Dra. Jussara Matos 14h55: Integración social y laboral de personas con discapacidad en Tenerife: Sinpromi S.L. – Doutora Teresa Peña, SINPROMI 15h20: Apresentação dos resultados do estudo sobre a situação social e laboral de pessoas com deficiência em Cabo Verde realizado dentro do projeto Incluye 010 – Dra. Carmelita Silva (CIGEF, Uni-CV) 15h45: Debate (30 minutos) - Moderadora: Dra. Clementina Furtado


 
PAINEL IV: PROJECÇÃO E REFLEXÃO SOBRE A EXPERIÊNCIA LABORAL E FORMATIVA 16h15: Projeção do Documentário 16h25: Testemunho de um/a do/as formando/as Comentários do Documentário e discussões 16h35: Discussão (25 minutos) Dr. Bernardino Gonçalves (ACDS) e Doutora Clementina Furtado PAINEL V: PERSPECTIVAS FUTURAS 17h00: Intervenção do Dr. José Teixeira – Coordenador da Unidade de Inovação e Empreendorismo da ADEI 17h15: Entrega dos diplomas e encerramento • Atuação do grupo "Mon na Roda" – Dança • Atuação do grupo Musical Voz de ADVIC 17h45: Discursos do Encerramento • Diretora do CIGEF – Doutora Clementina Furtado • Representante da SINPROMI Canárias – Doutora Teresa Peña • Pró-reitora da Universidade de Cabo Verde – Doutora Sónia Silva Imagens do evento:

  Fonte: Veja Aqui

Angola - ANDA diz que amputação física é principal deficiência no país

Luanda - A amputação física é a principal deficiência em Angola e o fenómeno continua a crescer em Angola devido aos acidentes de viação que se registam diariamente no país, declarou hoje, sexta-feira, o presidente da Associação Nacional de Deficientes (Anda), Silva Etiambulo

Ao falar à imprensa sobre a situação dos deficientes em Angola, à margem de um workshop sobre “A problemática do trauma no seio dos ex-combatentes utilizadores de próteses”, o lider associativo evocou que a par da guerra que causou muitos deficientes físicos há outro fenómeno- os acidentes de viação, que estão a causar muitas deficiências físicas como a amputação. Segundo disse, actualmente a ANDA tem inscritos 49 mil e 752 pessoas com deficiência física. Dos inscritos, a organização vai fazer uma triagem no sentido de averiguar os que ainda estão em vida e os que há muito tempo deixaram de ir à associação. De acordo com o interlocutor, a má condução que se assiste nos dias de hoje no país, principalmente dos autocarros, que transportam mais pessoas, têm provocado inúmeros acidentes. Nesta senda, destacou que num único acidente de autocarro, muitas pessoas podem se tornar deficientes físicos. Silva Etiambulo enalteceu ainda os esforços do Executivo angolano pela construção de centros de reabilitação física e dos centros de formação. “Temos em funcionamento os centros de reabilitação física apesar de algumas lacunas, os centros de formação adaptados para formar deficientes, um trabalho feito pelo Executivo angolano”, disse o entrevistado. Por outro lado, lamentou o facto de alguns deficientes preferirem ficar nas ruas a mendigarem, outros fechados em suas casas sem procurar formas de se adaptarem. Quanto aos utilizadores de próteses, o responsável da Anda frisou que tem havido um grande trauma por parte destes, devido ao mau uso desse material. Nesta senda, destacou que muitos utilizam mal as próteses e outros não conseguem chegar aos centros de reabilitação para aprenderem a usá-las. “ Assim, disse, pensamos em sentar com os utilizadores de próteses para em conjunto estudarmos os métodos mais viáveis para a sua utilização, como conservar e analisarmos a durabilidade das próteses que são fabricados no país”, disse.

 Fonte: Veja Aqui

sábado, 28 de junho de 2014

Congresso online tratará inclusão de pessoas com deficiência

Evento gratuito discutirá temas como inclusão e diversidade Entre os próximos dias 21 e 27 de setembro, a consultoria especializada em inclusão Affonso e Araujo irá realizar o primeiro congresso nacional online e gratuito sobre acessibilidade do País. A iniciativa que irá coincidir com a comemoração do Dia Nacional de Luta pela Inclusão das Pessoas com Deficiência será composta por discussões sobre inclusão, diversidade, saúde, relacionamento, carreira, empreendedorismo, direitos humanos, tecnologias de informação e comunicação e reabilitação.


  O evento poderá ser acompanhado pela internet e irá oferecer opção de conteúdo em Libras. “Este será um encontro sem precedentes no Brasil, muito esperado pelos mais de 45 milhões de brasileiros com deficiência e pelos outros milhões com necessidades especiais que lutam por uma vida digna", defende a diretora da Affonso e Araujo Consultoria, deficiente visual e idealizadora do congresso, Dolores Affonso. Saiba Mais Concurso público abre 215 vagas com salário de R$ 21,6 mil Além de palestras e entrevistas, o congresso contará com um espaço virtual para parceiros, com informações de contato de diversas organizações de apoio ao deficiente como empresas de recolocação, formação e capacitação profissional, desenvolvedoras de tecnologias de informação e comunicação, sites de relacionamento, agências de turismo acessível, projetos de esporte adaptado e moda inclusiva.

  Outras informações e inscrições podem ser feitas no site do congresso 

 

Fonte: Veja Aqui

quinta-feira, 19 de junho de 2014

Montijo Incentiva a Pratica Desportiva para pessoas Com Deficiência


A Câmara Municipal do Montijo aprovou, por unanimidade, na reunião de 11 de junho, a celebração de um protocolo de colaboração com a Federação Nacional de Cooperativas de Solidariedade Social (FENACERCI).


Esta parceria tem como objetivo articular recursos e ações para a prática desportiva para a pessoa com deficiência. De acordo com o protocolo, a Câmara é responsável pela promoção de ações de sensibilização no âmbito do desporto adaptado junto dos agentes desportivos e instituições locais e, ainda, pelo apoio na dinamização, na sua área geográfica, de seções desportivas para praticantes com deficiência. A FENACERCI compromete-se a prestar apoio ao município no enquadramento técnico das diversas atividades de desporto para pessoas com deficiência e a desenvolver, conjuntamente com a câmara, ações de formação para agentes desportivos. Este protocolo segue os pressupostos do projeto Incluir+, executado pela Câmara Municipal do Montijo em estreita parceria com várias instituições locais, como é o caso do Clube Atlético do Montijo, com o objetivo de sensibilizar a comunidade para o processo de inclusão através do desporto. Neste âmbito, ao longo do ano, são realizadas diversas ações e atividades como por exemplo o VII Campo Aberto de Canoagem e as 1.ªs Jornadas Náutica para Todos, que decorreram nos dias 6 e 7 de junho de 2014, e que contaram com a participação da FENACERCI. A FENACERCI tem como missão fundamental promover a criação de condições que defendam os interesses e os direitos das pessoas com deficiência intelectual e as suas famílias

. Fonte: Veja Aqui

sexta-feira, 13 de junho de 2014

Barreiro: Associação inaugura espaço de apoio a pessoas com deficiência


A Nós – Associação de Pais e Técnicos para a Integração do Deficiente inaugurou esta quarta-feira, dia 4 de Junho, a obra do projecto "Uma Cidade Para Todas As Pessoas". O equipamento destinado ao apoio de pessoas com deficiência é constituído por um Centro de Actividades Ocupacionais, quatro residências autónomas e um serviço de apoio domiciliário. 


 Humberto Candeias, director técnico da Nós, destaca que o novo equipamento, além das novas três respostas sociais com capacidade para apoiar 80 utentes, "procura criar sinergias na comunidade, de modo a promover uma agenda que coloque a inclusão social na ordem do dia". De acordo com a Nós, Humberto Candeias sublinha que esta inauguração "junta a evocação de 32 anos de esforço para melhorar as condições de vida de pessoas com deficiência ao presente, com a realização de toda uma comunidade que encontrou vontade e energia para erguer um projecto de qualidade e dimensão supraconcelhia". "O peso das responsabilidades e dos obstáculos, a dureza do percurso, não apenas não diminui a alegria da realização como até lhe confere um sabor muito especial", explicou Humberto Candeias. Segundo a Nós, o projecto "Uma Cidade Para Todas As Pessoas" insere-se no âmbito do Programa Operacional Potencial Humano (POPH) do Quadro de Referência Estratégica Nacional e compreende um investimento de cerca de 1 milhão e 711 mil euros, "sendo a comparticipação pública, nacional e europeia de 1 milhão e 167 mil euros e a comparticipação sob responsabilidade da NÓS de 544 mil euros". O terreno para a construção do equipamento foi cedido pela autarquia do Barreiro.

  Fotos: © CMBarreiro Redacção

segunda-feira, 9 de junho de 2014

Cadeira de rodas inspirada em tanque de guerra

Um bombeiro que esteve na Guerra do Golfo criou a ThankChair, uma cadeira de rodas que anda em todo o tipo de terreno, a pensar na mulher, que ficou paralisada num acidente. Custa 19.500 euros e reverte para uma associação de solidariedade.


video

Brad Soden não tinha qualquer formação ou experiência em mecânica ou engenharia, mas criou esta cadeira de rodas a pensar na mulher, Liz, mãe dos seus cinco filhos, que ficou paralisada na sequência de um acidente de viação em 1999. Durante um passeio em família num parque natural do Arizona, a família decidiu seguir um rebanho de ovelhas com que se cruzou. Só que a cadeira de rodas que Liz usava na época não se adequava ao terreno e ela ficou impedida de continuar a perseguição. Perante esta impotência da mulher, Brad decidiu dedicar-se a criar uma solução. Passou muitas noites na garagem, bebeu muitas cervejas, mas chegou à ThankChair, uma cadeira de rodas que adapta o conceito dos tanques militares e que, em vez de rodas, tem as chamadas lagartas. A história da família está contada no site ThankChair.com, em que é possível ainda adquirir exemplares desta invenção. Cada modelo custa no mínimo 19.500 dólares e deverá durar entre 15 e 20 anos. Os lucros revertem a favor da Fundação criada pela mulher, que tem por objetivo dar mobilidade a crianças, polícias, bombeiros e combatentes feridos.
 

Fonte: Diário Notícia – Ciência

sexta-feira, 6 de junho de 2014

Portugal vai ter primeira escola de atletismo para pessoas com deficiência

Portugal vai ter em breve a primeira escola de atletismo para pessoas com deficiência, um projeto do atleta paralímpico Jorge Pina, que pretende dar a conhecer a realidade do desporto adaptado e captar novos talentos.


A escola começará a funcionar em pleno em setembro, no início do ano letivo, mas vamos já começar a ir às escolas apresentar o projeto aos jovens e aos pais”, explicou Jorge Pina, em declarações à agência Lusa. O atleta, que marcou presença nos Jogos Paralímpicos de Pequim2008 e Londres2012, referiu que o grande objetivo da escola é “dar oportunidade aos jovens com qualquer tipo de deficiência de experimentarem as várias disciplinas do atletismo e de as começarem a praticar”. Jorge Pina considerou que este projeto é “também uma forma de rejuvenescer o desporto adaptado” e admitiu que “gostaria de abrir o leque a outras modalidades”. O atleta, que cegou aos 28 anos numa altura em que praticava pugilismo, explicou que a escola servirá também para ajudar a formar futuros professores. “Além de ser uma escola para pessoas com deficiência também será uma escola para futuros professores, pois temos protocolos com faculdades, para que os futuros professores tenham oportunidade de trabalhar diretamente para o terreno trabalhar com pessoas com deficiência”, disse. Numa primeira fase a escola vai ter cerca de 70 alunos “referenciados pela Direção Regional de Educação de Lisboa (DREL)”, disse Jorge Pina, garantindo que no futuro “o objetivo é chegar a mais instituições, nomeadamente a centros de reabilitação”. A escola de atletismo vai funcionar em três polos localizados em Lisboa – Estádio Universitário, INATEL e Pista de Atletismo Municipal Professor Moniz Pereira –, mas Jorge Pina espera “crescer e formar treinadores e técnicos noutras zonas”. A criação da escola, uma aspiração antiga da Associação Jorge Pina, foi possível devido à parceria com a marca Rexona, que através de uma iniciativa realizada em vários ginásios colocou os portugueses a correrem. Por cada quilómetro percorrido, nos locais aderentes, a marca doou um euro, tendo em cerca de 15 dias sido conseguidos os 50.000 euros necessários para o arranque. “Muitos portugueses deram quilómetros para que tudo se tornasse realidade”, afirmou Jorge Pina, lembrando que a escola tem parcerias com o Instituto do Português do Desporto e Juventude e com o Instituto da Nacional para a Reabilitação.

  Fonte: Diário Digital/Lusa

quarta-feira, 28 de maio de 2014

Portugal venceu festival Europeu da Canção para pessoas com deficiência? Sim!

É verdade, contra tudo o que possam estar a pensar. Portugal venceu o Festival Europeu da Canção para pessoas com deficiência. 


  Paulo Jesus, Pedro Falcão, Paulo Casal e Márcio Reis venceram o Festival Europeu da Canção para a Pessoa com Deficiência Mental. Representaram a APCC - Associação de Paralisia Cerebral de Coimbra e Portugal, em Estocolmo, Suécia, depois de terem conquistado, em 20 de Outubro de 2012, o Festival Nacional da Canção para Pessoas com Deficiência, na Lousã. Acompanhados pelo professor Paulo Jacob apresentaram ‘Mundo de Contradições’ que, com letra de Paulo Casal, conquistou o júri e lhes permitiu viver uma experiência memorável. Foi com este mesmo trabalho que Paulo Jesus e Pedro Falcão se estrearam em palco. Esta notícia que não veio nas primeiras páginas nem abriu telejornais destaca um acontecimento que é uma honra para todos os portugueses. Estes jovens representaram um país que tem uma ‘língua exótica, suave e agradável’, como disse o apresentador do Festival.

  Fonte: Veja Aqui

No Brasil Governo realiza Dia D de Inclusão para pessoas com deficiência

Nesta quinta-feira (29), será realizado na Fundação Centro Integrado de Apoio à Pessoa com Deficiência (Funad) o Dia D de Inclusão Social e Profissional das pessoas com deficiência. O evento é realizado pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Humano (Sedh), Funad, Sine Estadual e de João Pessoa, em parceria com o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) e o Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência.

Também é parceiro nesta iniciativa o Instituto Nacional de Seguro Social (INSS/JP) e a Secretaria de Direitos Humanos (SDH/PR). O objetivo do evento é promover a inserção da pessoa com deficiência em uma oportunidade de trabalho. A ação foi realizada com êxito em dois estados do Brasil. A principal estratégia do Dia D é dedicar um dia inteiro de atendimento para a inclusão da pessoa com deficiência (PcD) e do beneficiário reabilitado no mercado formal de trabalho, reunindo no mesmo espaço as empresas que vão disponibilizar vagas e os trabalhadores candidatos a uma oportunidade de emprego. A ação visa o atendimento, não só à pessoa com deficiência, como também do beneficiário reabilitado – pessoa que tenha cumprido o Programa de Reabilitação Profissional pelo Instituto Nacional de Seguro Social – INSS. O reabilitado, ao final do programa, recebe do INSS um certificado que lhe garante esta condição. A Lei Federal nº 8.213/91 (Lei de Cotas) obriga as empresas com mais de 100 funcionários a incluírem pessoas com deficiência (PcD) ou beneficiário reabilitado no seu quadro de efetivos e o MTE atua para que essa contratação se dê da melhor maneira possível, incentivando e cobrando das empresas sua responsabilidade legal e social, de modo a proporcionar às pessoas com deficiência e aos beneficiários reabilitados o acesso a uma vaga no mercado de trabalho em igualdade de oportunidades. Números – De acordo com o Censo 2010, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a população do Brasil é composta por 45 milhões de pessoas com algum tipo de deficiência, o que corresponde a quase 24% do total da população brasileira. De acordo com os dados da Relação Anual de Informações Sociais – RAIS 2012, 330 mil estão no mercado formal de trabalho, o que corresponde a 0,70% do total de vínculos empregatícios em todo o Brasil

. Fonte: Veja Aqui