sábado, 19 de dezembro de 2015

Associação cabo-verdiana quer levar livros adaptados a outros países lusófonos

Associação cabo-verdiana das Famílias e Amigos de Crianças com Paralisia Cerebral (Acarinhar) lança hoje um projeto para adaptar livros para pessoas com deficiência, iniciativa pioneira no país e que quer levar a outros países lusófonos.

 

 Em declarações à agência Lusa, a presidente da Acarinhar, Teresa Mascarenhas, indicou que o projeto "CompartiArte" surgiu porque há muitas pessoas com deficiência no país e muitas das que têm deficiências a nível comunicativo não falam.

 

A ideia, disse, é incentivar a comunicação e a leitura através da arte, adaptando livros em formatos acessíveis para pessoas cegas ou com baixa visão, para surdos e para pessoas com incapacidade intelectual ou limitações de outra natureza. 

 

Segundo Teresa Mascarenhas, com a iniciativa pretende-se "quebrar barreiras de incomunicabilidades através da arte e tornar a sociedade mais inclusiva". 


"Os livros, apresentados em CD, serão destinados sobretudo às crianças com deficiência, mas às outras crianças como forma de aprenderem a comunicar e também para toda a sociedade para poder estar preparada para comunicar com as pessoas com deficiência", realçou.

O primeiro livro, "Borboleta Dourada", é da autoria de Teresa Mascarenhas, e tem por base o trabalho realizado no âmbito da Dissertação de Mestrado da autora no Instituto Politécnico de Leiria (IPL).

Na obra conta as suas experiências com as crianças com paralisia cerebral


 A apresentação do livro de 20 páginas ilustradas, com músicas da cantora Tetê Alhinho e voz da primeira-dama de Cabo Verde, Lígia Fonseca, será apresentada por Célia Sousa, investigadora do IPL e coordenadora do mestrado em Comunicação Acessível, e por Hermínia Curado Ribeiro, escritora e professora. Teresa Mascarenhas informou à Lusa que já tem mais dois livros adaptados que serão apresentados no início do próximo ano e que outro objetivo é levar este projeto pioneiro em Cabo Verde a outros países lusófonos, como Angola, Guiné-Bissau e Moçambique, onde já tem "alguns contactos".

A presidente da Acarinhar, que pretende lançar dois livros por ano, quer também negociar com o Ministério da Educação de Cabo Verde no sentido de adaptar livros escolares e pedagógicos para serem disponibilizados a bancos, restaurantes, hotéis, entre outros espaços.

A Acarinhar, que contou com vários parceiros para a iniciativa, também vai lançar hoje o sítio oficial na internet do projeto "CompartiArte", esperando que sejam uma "outra forma de comunicar".

A OMS estima que cerca de 10% da população de qualquer país, em tempo de paz, tem algum tipo de deficiência e que desse grupo cerca de 0,5% é afetada por deficiências a nível comunicativo e muitas dessas pessoas não são capazes de comunicar através da fala. 

Fonte da Notícia: Veja Aqui - RYPE // APN - Lusa/Fim

Nenhum comentário: