sábado, 2 de junho de 2012

Ciência: Ratos paraplégicos voltam a andar


Cientistas conseguiram que ratos paraplégicos devido a lesões na medula espinal voltassem a andar, e até a correr, após a regeneração do seu sistema nervoso central.

O resultado do trabalho de cinco anos dos investigadores da Escola Politécnica Federal de Lausanne (EPFL), na Suíça, é esta sexta-feira divulgado na revista Science e os cientistas acreditam que será possível iniciar, dentro de um ano ou dois, ensaios em humanos no Hospital Universitário de Balgrist, em Zurique.
Segundo o artigo agora publicado, uma lesão grave da medula espinal pode ter alguma regeneração quando se "acorda" aquilo que o investigador Grégoire Courtine chama de inteligência inata do sistema nervoso.
"Após um par de semanas de neuro-reabilitação com uma combinação de um arnês robótico e de estimulação electroquímica, os nossos ratos não só iniciaram movimentos voluntários de locomoção, como cedo começaram a correr, a subir escadas e a contornar obstáculos", explicou Courtine.
Até agora sabia-se que o cérebro e a medula espinal podem recuperar de lesões moderadas devido à sua neuroplasticidade. Mas até agora a neuroplasticidade da medula espinal após uma lesão grave era tão reduzida que se considerava impossível a sua recuperação.
A investigação liderada por Courtine prova que, em determinadas condições, a plasticidade e a recuperação podem ocorrer nestes casos severos, desde que a parte da coluna que ficou abaixo da lesão seja "acordada".
Para fazê-lo, os cientistas injectaram uma solução química nos ratos, que activou os neurónios para que estivessem prontos para coordenar o movimento da parte de baixo do corpo quando fosse necessário.
Cinco a dez minutos depois da injecção, os investigadores estimulam electricamente a medula espinal com eléctrodos implantados na camada exterior do canal espinal.

Fonte: Correio da Manhã

Nelson Almeida
Quem sabe, que com essa descoberta, ou estudos a vida dos paraplégicos melhora um pouco que seja.
Boa notícia.

Nenhum comentário: